Make your own free website on Tripod.com
a arte de fumar


Primeira página

Iniciantes

Tópicos avançados

Fumante: estilo de vida

Saúde
      
Exercícios físicos
      
Fumo e gravidez
       Diminuindo e parando
       Doenças

Tópicos adultos

Contato
Diminuindo ou parando



     Muitos fumantes descobrem que com o tempo eles passaram a fumar mais e apreciar menos cada cigarro. Eles apenas precisam de um cigarro, e a sensação de alívio da nicotina faz com que se queira cada vez mais. Se você já fuma há alguns anos, pode até ser que você já esteja nessa situação. Tente lembrar de quando você começou a fumar, e do efeito que cada cigarro causava em você. Foi por aqueles efeitos que você continuou, não é? Bem, você pode continuar a fumar e ter prazer, talvez até mais, fumando menos. A quantidade certa é diferente para cada pessoa, e não há um número de cigarros que todo mundo deveria fumar. Mas nessa seção vamos ver o que fazer para diminuir ou até parar.

    O tempo que se leva para passar, por exemplo, de 30 cigarros por dia para um maço é diferente para cada um. Siga seu próprio ritmo, sem se importar se outras pessoas conseguiram mais facilmente do que você. Passaram-se anos até você atingir seu nível atual de fumante, e é aceitável que você também leve anos para voltar à quantidade que você fumava há anos. Há formas de acelerar esse processo: basta pensar um pouco e se monitorar.

    Não tenha ansiedade. Aprenda o que é ficar "na fissura" um tempo, e rapidamente você vai voltar a sentir um prazer especial em cada cigarro. Relaxe e veja o lado bom do processo, e o tempo passará mais rapidamente.


Diminuindo: o método lento

    A forma mais segura, ainda que um pouco mais devagar, para diminuir a quantidade de cigarros que você fuma, é fazer exatamente o inverso do processo que você fez quando começou a fumar. O que você precisa fazer, inicialmente, é ficar atento ao número de cigarros que você fuma durante períodos diversos do dia. Por exemplo, quanto você fuma pela manhã, pela tarde e pela noite. Anote em algum lugar de tempos em tempos. Então, depois que você descobrir qual é o seu "padrão", tente diminuir um cigarro de um determinado período. Por exemplo, se durante o horário de almoço você fuma três cigarros, passe a fumar dois. Depois de uma ou duas semanas mantendo esse nível, faça a mesma redução em um outro período. Depois de uns dois meses, você já terá diminuído bastante seu consumo diário.

    A cada cigarro, tente se desafiar. Pense: "eu preciso mesmo fumar agora? Ou será que eu poderia esperar mais um tempo? Se eu consegui ficar sem fumar até agora, por que não conseguiria mais um pouco?". Isso fará você reduzir ainda mais, e talvez até passar períodos inteiros sem fumar.

    Mantenha o nível baixo constantemente, até que você chegue a um ponto em que cada um dos seus poucos cigarros pareça ser a melhor coisa do mundo. É aí que você vai saber que atingiu a quantidade certa para você, e que não há nenhum fator psicológico ou físico que obrigue você a fumar mais do que isso. Você estará habituado a se controlar, e você rapidamente notará a diferença. Evite a tentação de fumar mais -- OK, na farra você pode fumar mais, mas durante o dia volte ao seu normal).


Diminuindo: o método químico

    É sabido que os males do fumo são quase todos ligados não à nicotina, mas sim aos elementos tóxicos da fumaça e o alcatrão. A nicotina é somente o elemento que "vicia". Então, existem vários medicamentos, feitos para quem quer fumar menos ou parar, que funcionam substituindo a nicotina ou provendo-a de outra forma, e assim reduzem a necessidade física de fumar -- a necessidade psicológica é outra questão. No Brasil, um dos mais conhecidos é o Zyban (bupropion), um antidepressivo leve que de certa forma age provendo o que a nicotina proveria. Também existem emplastros (adesivos para a pele) com nicotina, que fazem a droga ser absorvida diretamente pela pele, e nos Estados Unidos um dos medicamentos mais conhecidos é o Nicorette, um chiclete com nicotina.

    O método químico segue mais ou menos o mesmo princípio do método natural descrito acima, e você terá igualmente que observar sua rotina de fumante e tentar passar maiores períodos de tempo sem fumar. Você escolhe um dos momentos em que você fuma mais e substitui um ou dois cigarros pelo adesivo ou chiclete. Esse método permite uma redução mais rápida e mais confortável, mas você ainda precisa contar com a sua força de vontade e eliminar aqueles cigarros que você realmente não precisa.

    Em qualquer método, não adianta tentar parar de vez ou fazer uma redução abrupta do número de cigarros que você fuma. Você pode acordar e fumar normalmente. Então, indo para o trabalho, você não fuma, e ao chegar lá você usa o chiclete ou adesivo. Depois do almoço você fuma mais um cigarro. À tarde, quando der vontade de novo, outro adesivo. Não fume quando estiver voltando para casa. À noite você pode até fumar o quanto quiser: ao fim do dia, você terá fumado bem menos do que o normal. O problema dos chicletes e adesivos é que eles também viciam -- e são bem mais caros. Não caia na besteira de fumar usando o adesivo, ou usar mais adesivos do que deveria, senão você vai acabar ainda mais viciado em nicotina. Então, você também deverá se livrar deles aos poucos.

    Como foi dito, não se fuma somente pela necessidade de nicotina, mas há os fatores psicológicos, o hábito em si. Com muita gente, funciona melhor usar o adesivo ou chiclete, que já dá toda a nicotina que seu corpo pede, e nos momentos em que realmente bate a vontade, fumar um ou dois cigarros ultra-light, de baixíssimos teores (como Free 1 ou Kent 1), o que daria cabo à necessidade psicológica de fumar e não afetaria o tratamento químico dos adesivos.


Fumante ocasional

    Algumas pessoas que fumam regularmente podem querer passar a fumar apenas uns poucos cigarros por dia, ou só fumar "socialmente", como em festas ou fim de semana. Não há nada de errado nisso. Em algum ponto da sua vida de fumante você fumava apenas uns 4 ou 5 cigarros por dia e os apreciava muito.

    Ser fumante ocasional significa isso -- ter muita satisfação com cada cigarro, mesmo que sejam só três em uma noite de bebedeira. Quando você é fumante regular e está diminuindo, chegar ao ponto de realmente conseguir se controlar quando dá vontade de fumar significa que você pode passar a fumar só de vez em quando, por puro prazer, e não por vício.


Parando

    Alguns fumantes chegam a um ponto da vida em que fumar não tem mais graça nenhuma. E então decidem que é melhor parar. É ótimo quando é VOCÊ que conclui isso, em vez de ser forçado a parar enquanto ainda gosta de fumar.

    Parar de fumar mexe tanto com a sua rotina quanto começar a fumar. A chave do sucesso é você ter realmente a vontade de parar. Uma vez que você tenha esse objetivo em mente, dê a si mesmo um prazo para isso acontecer. O método para parar de fumar é o mesmo usado para diminuir -- isto é, aos poucos. Escolha um dos métodos descritos acima e vá em frente. Em algum momento você vai chegar a uns dois ou três cigarros por dia, e então você elimina um deles, e mais um... e pronto.

    Quando estiver perto de parar, e por algum tempo depois que parar, evite as baladas em que você normalmente fumava, e não ande mais com um maço de cigarros à disposição. Também não tente tirar dos seus últimos cigarros o máximo de prazer para compensar os cigarros que você deixou de fumar -- pelo contrário, force-se a pensar em coisas ruins sobre o cigarro. Aliás, você pode ter sempre à mão uma lista de coisas ruins relacionadas ao cigarro, e lê-la toda vez que tiver vontade de fumar. Isso vai te desencorajar.

    Uma outra dica é você compartilhar seu projeto de parar de fumar com alguém. Diga a essa pessoa quantos cigarros você fumou durante o dia, dividir seus sentimentos, e isso vai gerar uma espécie de "obrigação" sua para com essa pessoa. E ela vai te dar o apoio necessário para reforçar a sua decisão, o que vai te ajudar bastante.

    Se em algum momento durante a redução você perder o fio da meada e quiser fumar, tudo bem. Apenas observe que você já deverá estar fumando bem menos do que anteriormente, e não se permita de jeito nenhum aumentar o seu nível atual. Depois, quando você novamente tiver a força de vontade para parar, retome a diminuição gradual. Você pdoe levar meses até retomar o trabalho, mas de qualquer maneira você já estará fumando bem menos do que fumava, e será mais fácil reduzir a partir de agora.
    
    Você não precisa evitar a companhia de outros fumantes -- apenas diga que você está parando. Se for necessário, peça a eles que fumem menos quando estiverem com você, ou até que só fumem quando você também estiver fumando. Você também pode manter os hábitos que tinha, ir aos mesmos lugares a que você ia. A diferença é que agora você estará fumando muito menos, ou nem está mais fumando. Você vai ver que consegue, e isso tornará menos "traumática" sua nova vida de não-fumante.

    Assim como você começou a notar a presença de fumantes ao seu redor quando você começou a fumar, passe a observar agora os não-fumantes e o que eles fazem, e pense que, se 70% da população mundial não fuma, você também não precisa fumar.